De graça? Até jogo bom! Edição Setembro 2016

Olá Gamers! Um gamer como a gente nunca fica de fora dos lançamentos! Como é de costume, vamos conferir os jogos de “graça” oferecidos pela Sony e Microsoft para o mês de Setembro de 2016! Apertem o start!

GwG

A Microsoft vem esse mês com um combo de jogos bem interessante, um mix de apostas indies e Triple A’s antigos. Vamos a eles:

degracasept1

Earthlock: Festival of Magic– Fundeado pelo Kickstarter e produzido pela produtora indie Snowcastle Games, Earthlock: Festival of Magic conta a história de Amon, o vasculhador do deserto, que tenta a todo custo voltar para seu lar. O jogo é um RPG e saiu do forno no ultimo dia 1º de setembro. É lançamento na área! Disponível para download durante todo o mês de Setembro.

Assassin’s Creed Chronicles: China – A Ubisoft vem com mais um dos seus petardos “indies”, jogos que tinham tudo para ser tidos como de menor investimento, mas que possuem profissionais gabaritados dando todo o suporte nos bastidores (Child of Light, estou olhando pra você). Assassin’s Creed Chronicles: China já foi inclusive resenhado no Gamer como a Gente e ganhou a nota de 3,5 de um total de 5 – confira clicando aqui. Disponível para download do dia 16 ao dia 15 de Outubro.

degracasep2

Forza Horizon – Triple A lançado em 2012, foi mais uma das tentativas da Microsoft de destronar o Gran Turismo. Na época do seu lançamento, foi bastante elogiado em quase todas as mídias. Imperdível para fãs de corrida. Disponível para download do dia 1 ao dia 15 de Setembro.

Mirror’s Edge – Mais conhecido como o “jogo de parkour”. Desenvolvido pela EA e lançado longínquos 8 anos atrás, o jogo teve reviews positivas dos profissionais do mercado, assim como Forza Horizon mencionado acima. Entretanto, a expectativa de vendas da EA foi frustrada – estavam estimando 3 milhões de cópias vendidas, porém apenas 2 milhões saíram das prateleiras. Microsoft investe na estratégia usada pela Sony com frequência durante 2012 e 2013, lançando de graça o Mirror’s Edge agora provavelmente para tentar impulsionar as vendas de Mirror’s Edge: Catalyst continuação lançada este ano. Disponível para download do dia 16 ao dia 30 de Setembro.

psnanalise logo

Hoje é a primeira terça feira do mês, e isso quer dizer que mais uma vez teremos atualização da Playstation Store com os jogos grátis para os consoles da Mãe Sony! Gamers que estavam esperando Triple A’s vão ficar decepcionados mais uma vez. Entretanto, os jogos da Sony não são ruins. Aqui estão eles:

degracasep3

Lords of The Fallen (PS4)– RPG de terceira pessoa e frequentemente comparado com a série Souls, Lords of The Fallen coloca o gamer em uma jornada na pele do criminoso Harkyn, que terá como missão parar as forças demoníacas de um Deus. Prepare seu machado e seu martelo!

Journey (PS4 e PS3) – Indie lançado pela produtora independente thatgamecompany, Journey foi aclamado tanto por crítica quanto fãs em seu lançamento em 2012. Com visuais belíssimos, a versão remasterizada de PS4 mais uma vez incita o gamer, trajando um misterioso robe e um longo cachecol, a cruzar o deserto e chegar ao topo de uma montanha. O jogo foi inclusive nomeado ao Grammy de 2013 por conta de seus efeitos sonoros. Imperdível!

Badland (PS Vita, PS4, PS3)- Vencedor do prêmio Apple Inc.‘s iPad de Jogo do Ano (Game of The Year), o player irá poder controlar a estranha criatura negra Clony enquanto atravessa os belíssimos cenários 2D do game. Indie game lançado pela Frogmind Games.

Além destes, a Sony ainda trás de bandeja os seguintes jogos:

  • Prince of Persia: The Forgotten Sands, PS3
  • Datura, PS3
  • Amnesia: Memories, PS Vita

Vale também salientar que entre os dias 9 e 12 de Setembro o blockbuster e amado-por-muitos Overwatch estará disponível inteiramente grátis para todos os consoles! Te vejo lá!

degracasep4

E não esqueça de conferir a loja do Gamer como a Gente, a FORJAS GCG! Clique aqui para comprar sua armadura!

Resenha: Uncharted 4: A Thief’s End

uncharted4 logo

“I am a Man of Fortune, and I must seek my Fortune”


Ele está de volta, e pela última vez

Escrevo esta resenha com um misto de tristeza e felicidade. Conforme mencionado na resenha de Uncharted: Nathan Drake Collection, sou fã confesso da série da Naughty Dog.

A saga teve início no longínquo ano de 2007 (parece que foi ontem!), com o lançamento de Uncharted: Drake’s Fortune para PS3. Desde então se passaram 9 anos de muitas aventuras acompanhando os passos de Nathan Drake. As experiências são memoráveis e incontáveis: dentre elas, investigamos um misterioso submarino alemão perdido no meio da selva amazônica, despencamos de um trem em meio a uma nevasca no Himalaia e saltamos de um avião em queda, só para ficarmos perdidos no imenso deserto de Rub’ al Khali na Península Arábica.

Lançado em Maio de 2016, Uncharted 4: A Thief’s End conta a derradeira história daquele que é, provavelmente, o principal protagonista de games de ação dessas últimas gerações. Alguns cabelos brancos mostram que os anos se passaram para Nathan – e para nós também. E como toda história deve ter um fim, resta a nós gamers honrar o caçador de tesouros da melhor forma possível.

Vamos lá!

uncharted41“Muita ação te espera no quarto jogo da franquia”

 Os tesouros escondidos de Henry Avery

A história de Uncharted 4 começa mostrando que Nathan Drake, depois dos eventos contados em Uncharted 3: Drake’s Deception, decidiu pendurar o chapéu e o chicote (ops!) e abandonar a vida de caçador de tesouros.

Entretanto, sua monótona rotina é interrompida quando descobre que seu irmão, Samuel Drake, supostamente morto, está na verdade vivinho da silva. Sam conta que está em busca dos perdidos tesouros do Pirata Henry Avery e que sua vida depende de encontrá-los. Uma oferta irrecusável para Nathan – e para nós, é claro.

O magnata Rafe Adler e a mercenária Nadine Adler posam como os antagonistas deste episódio da série. Ainda que não possuam a obsessão de Zoran Lazarevic (de Uncharted 2) e a vilania de Katherine Marlowe (de Uncharted 3), eles são bem construídos e fazem o suficiente para manter Nathan e seu irmão na ponta dos cascos.

Como não poderia ser diferente, Emily Rose e Richard McGonagle também retornam nos papéis de Elena Fisher e Victor Sullivan, outros dois personagens fantásticos que não poderiam faltar no capítulo final da saga. O carisma do grupo é mais robusto até do que a própria história, e um gamer como a gente avança rapidamente no jogo não só para saber como a aventura termina, mas também para saber qual será o final para os esses personagens que aprendemos a amar.

uncharted44“A última aventura do casal mais cativante da história dos games”

 Mais do mesmo?

Como em time que está ganhando não se mexe, a Naughty Dog manteve Nathan Drake e sua seleção no topo do campeonato. O jogo segue a linha cover-shooter desde o primeiro da série, então não seria agora que eles iriam mudar.

Entretanto, como os produtores sabem que gamers são exigentes e não se contentam com mais do mesmo, eles fizeram questão de colocar algumas coisinhas para quebrar o nosso cotidiano aventureiro, como um grappling hook (um gancho que Nate utiliza para auxílio em suas escaladas), e uma mecânica de deslizamento que dá ainda mais emoção nas cenas de ação.

Além disso, o combate do jogo também foi melhorado, com os segmentos passíveis de stealth (movimentação furtiva) sofrendo mudanças severas. Enquanto nos jogos anteriores os inimigos sempre sabiam onde o player estava, em Uncharted 4: A Thief’s End é possível se esconder, fazendo com que seus adversários fiquem procurando por você pelo cenário – estes, inclusive, são consideravelmente maiores.

A Naughty Dog também colocou veículos no jogo, fazendo que em alguns segmentos – como na fase da África – você sinta que está jogando um game de mundo aberto. Nathan fica livre para explorar, matar inimigos e procurar por pequenos tesouros (os itens colecionáveis do game), apesar do objetivo final ser sempre bem claro.

Em paralelo, os gráficos abusam do motor gráfico do PS4 e estão estupendos. A captura de movimentos continua com o primor de antes e o som, como sempre, um espetáculo à parte, ditando o ritmo da aventura de Drake.

uncharted42“O maravilhoso ‘mundo aberto’ de Uncharted 4”

Tiroteio online

O consagrado multiplayer inaugurado no segundo jogo da série, Uncharted 2: Among Thieves, retorna uma vez mais com força total. Mais dinâmico, com vários skins de personagem e muitas opções de armas, é um prato cheio para os gamers fãs da série.

A Naughty Dog fez questão de inovar também neste modo, dando a opção do jogador lançar ataques místicos e invocar ajudantes (desde brutamontes até médicos) para auxiliar na batalha. Após a atualização do jogo em junho de 2016, foi inserido também um sistema de level, bastante solicitado desde o início do lançamento do game.

uncharted43“Nada melhor do que zoar os coleguinhas no multiplayer…”

O fim de um herói

Para os fãs da série, o jogo é imperdível. Para os que odeiam a série, também. Ainda que Uncharted 4: A Thief’s End não tenha o ritmo frenético e cenas de ação tão memoráveis quanto a de seus antecessores, é um jogo que entra no hall dos grandes jogos de videogames já feitos.

É louvável também a coragem da Naughty Dog em terminar uma série de tanto sucesso, dando um ponto final na história do personagem e não colocando margem para a criação de mais um episódio. O contrário faria com que a série se tornasse cada vez mais arrastada e sem propósito (Ubisoft e Assassin’s Creed, estou olhando para vocês). A Naughty Dog encerra a carreira de Nathan Drake como deveria ser, com uma grande vitória no mundo dos games. Um final perfeito para um caçador de tesouros consagrado.

E para os gamers que não caçam tesouros, mas sim troféus, não há como não se emocionar ao receber a última platina da saga Uncharted, chamada “One Last Time”.

Após encerrado este ciclo de aventuras, fica a expectativa para a criação de um novo jogo de ação da Naughty Dog. Seria ela capaz de superar o que parece ser insuperável? Aguardemos!

Nota: uncharted4nota (5,0/5,0)

GCG Podcast #021 – Games como serviço

Cast021-VitrineGamesComoServico

Download | iTunes | Feed | Soundcloud
Arte da Vitrine: Rodrigo Estevão
Edição: Diogo Moura

Olá Amigos e Amigas Gamers! Sejam bem-vindos a mais um episódio do Gamer Como a Gente! Hoje iremos abordar um tema polêmico da indústria gamer atual: a tendência dos jogos deixarem de ser um produto e se tornarem um serviço. Para isso trouxemos um convidado especial lá do Podcast Los Chicos, Bruno Audi, o Esteban!

Para onde vão os colecionadores? Como vender um jogo já que você não é mais dono dele? Onde está a vantagem para os gamers? Um futuro estilo Netflix dos games é o ideal? Confiram estas e outras discussões aqui neste episódio.

Aproveitem e fiquem com ótimo artigo de Rodrigo Estevão sobre o estado atual da PSN Plus.

Diego Ferreira também escreveu sobre o tema aqui nesse artigo:

Depois de apertarem o play, não deixem de comentar com as suas opiniões sobre este tema! E sejam gamers como a gente!

De graça? Até jogo bom! Edição Julho 2016

Foram anunciados os jogos “de graça” do mês de julho de 2016 para os serviços online da Microsoft e da Sony. Portanto, vamos a eles:

GwG

Microsoft vem neste mês com um ótimo anúncio, provavelmente para compensar os gamers que desfrutaram do hit “Goat Simulator” no mês passado. Lembrando que os donos de Xbox One terão acesso aos 4 jogos abaixo, sendo os 2 últimos como parte da retrocompatibilidade.

july2016gwg1

The Banner Saga 2 – Após sucesso no primeiro jogo da série, a sequência foi lançada em Abril de 2016 para PC, e faz sua estréia para os consoles agora em Julho. É o Final Fantasy Tactics com temática viking! Para os fãs do estilo RPG Tático, é um prato cheio! Cliquem aqui para o trailer.  O jogo está disponível para download durante todo mês de Julho.

Tumblestone – Minha primeira impressão ao ver a primeira parte do trailer foi fantástica. Pensei que fosse um brutal jogo de luta underground (confiram aqui). Infelizmente, ao terminar de assistir ao vídeo, descobri que é só mais um cover de Tetris… O jogo estará disponível do dia 16 de Julho a 15 de Agosto.

july2016gwg2

Tom Clancy’s Rainbow Six Vegas 2 –  O sétimo jogo da série Rainbow Six, lançado incialmente no longínquo ano de 2007. Tradicional jogo de tiro de primeira pessoa. Disponível de 1 a 15 de Julho.

Tron Evolution –  Jogo de aventura/ação em terceira pessoa baseado no filme Tron: Legacy. O jogo preenche o gap temporal entre o filme e o jogo Tron: Betrayal, lançado para Wii e Nintendo DS. Segue a linha de praticamente todos os jogos de videogame baseados em filme, então vocês já sabem o que esperar. Disponível de 16 a 31 de Julho.

psnanalise logo

A Sony tenta manter o nível do mês passado. Muitos gamers estavam esperando The Evil Within, que foi lançado de graça na PSN Plus do Japão, mas aparentemente o pessoal do ocidente tinha outros planos, conforme podemos ver:

july2016psplus

Saints Row Gat Out of Hell – O Grand Theft Auto avacalhado está de volta! Nesta versão do jogo o gamer terá de ir, literalmente, ao inferno. Confiram o trailer clicando aqui.

Furi – Sinceramente, uma incógnita para mim. O jogo da Game Bakers, te coloca em uma série de batalhas 1 x 1 contra diversos chefes em arenas cyberpunks. O trailer pode ser visto aqui.

Além disso, a Sony ainda trás de graça o excelente Fat Princess e o não tão excelente Call of Juarez: Bound in Blood (para PS3), bem como Oreshika: Tainted Bloodlines e Prince of Persia: Revelation (para PSVita).

Nos vemos no próximo mês! Até lá!

Artigo: Uma análise crítica do momento da PSN Plus

psnanalise logo

A Playstation Plus, ou PSN Plus para os íntimos, para quem não sabe, é um serviço pago oferecido pela SONY para seus usuários. Ao se tornar assinante, o gamer passa a receber benefícios que vão desde descontos na compra de games, passando por cloud saving, chegando até a jogos que são distribuídos de forma gratuita e podem ser jogados infinitamente enquanto durar a assinatura.

Entretanto, nos últimos meses, a SONY vem sido amplamente criticada pela suposta má qualidade dos jogos que estão sendo distribuídos gratuitamente.

Por qual motivo misterioso a SONY antes dava de graça jogos de maior investimento, mais conhecidos como “Triple A” (como Bioshock Infinite, Dishonored, Batman:Arkham City, Tomb Raider, Dead Space 3, etc) e hoje só distribuí, em sua maioria, jogos indies ou de menor apelo?

Bem, para entender isso devemos voltar um pouco no tempo para entender como tudo começou.

psnanalise1“A reclamação dos usuários poder ser vista em todos os lados, até aqui no Gamer como a Gente!”

O Início da PSN Plus

O serviço da PSN Plus começou em Junho de 2010, exclusivo para PS3. O serviço vinha para competir diretamente com a Xbox Live, da Microsoft. A diferença principal era uma só: a Live era uma necessidade quase obrigatória para os gamers adeptos ao console da Microsoft. No Xbox 360 você precisava pagar a assinatura da Live para jogar online, enquanto no PS3 as partidas de multiplayer sempre foram gratuitas. Ora, porque então você iria dar seu suado dinheiro para a SONY se ela não te dava nada em troca? Qual era o benefício?

O que me fez tornar assinante logo no início foi o cloud saving, pois meu PS3 sofria com um HD pequeno. Entretanto, a SONY tinha planos maiores para a PSN Plus: a “Instant Game Collection”, o serviço que dá “jogos de graça” para os usuários.

Entretanto, para quem não se lembra, os primeiros jogos lançados na PSN Plus não eram “Triple A”, muito pelo contrário. Nos dois primeiros anos de PSN Plus, entre 2010 e 2012, os usuários jogaram em sua grande maioria games indies de menor custo (Wipeout HD, Dead Nation, Plants vs Zombies, Shank, Trine, etc) e games velhos de 16 bits, mais especificamente jogos lançados para o finado Mega Drive mais de 15 anos antes (Sonic, Streets of Rage, Altered Beast, Comix Zone, etc).

Nesta época, a base de usuários da PSN Plus não era grande, e a SONY precisava mudar sua estratégia para virar o jogo, pois estava atrás da Microsoft.

psnanalise2“Foto do gameplay de Hamsterball, um dos grandes ‘petardos’ da Sony no início da PSN Plus”

O Full House da SONY

A SONY começou a mostrar suas cartas e a virar o jogo em Junho de 2012. Foi neste mês que foram lançados na “Instant Game Collection” os primeiros jogos reconhecidamente “Triple A”, Infamous 2 e Little Big Planet 2. Coincidentemente, ambos jogos haviam sido publicados e distribuídos antes pela (ahá!) própria SONY. Era uma estratégia que não só traria mais usuários como também mostraria às desenvolvedoras grandes o apelo da PSN Plus, e de como elas poderiam divulgar os seus jogos para uma base fixa (e pequena!) de usuários. O boca-a-boca dos gamers faria o resto.

A estratégia da SONY deu certo, e várias desenvolvedoras passaram a distribuir seus jogos na PSN Plus. Os assinantes do serviço puderam jogar “de graça”, entre Junho de 2012 e Dezembro de 2013, jogos como Borderlands 1 e 2, King of Fighters XIII, Resident Evil 5, Bioshock 2, Super Street Fighter IV, Demon’s Souls, Deus Ex Human Revolution, Battlefield 3, Hitman: Absolution, XCOM: Enemy Unknown, entre muitos outros.

Apesar de não termos os números corretos de quantos usuários assinavam a PSN Plus na época (até porque este é o tipo de informação que a SONY guarda a 4 chaves por ter sido a base de toda sua estratégia naquele momento), sabemos que a aderência dos assinantes foi aumentando consideravelmente, como pode ser visto nesta reportagem aqui de Novembro de 2013.

Um ano depois, a PSN Plus já havia se tornado um sucesso estrondoso em toda a indústria gamer. A estratégia fazia com que os competidores arrancassem os cabelos, e inclusive provocou o nascimento em Julho de 2013 da “Games with Gold” serviço semelhante da Microsoft que dá aos seus assinantes jogos de graça da mesma forma que a PSN Plus, exatamente um ano após a mudança de política da SONY (entretanto, deixemos a análise estratégica da concorrente para outro artigo em um futuro próximo).

psnanalise3“Anos Dourados da PSN Plus, impulsionando a SONY ao topo da nova geração das Console Wars”

A faca de dois gumes da SONY

Com o lançamento do PS4 no final de 2013 a estratégia da SONY mudou. Assim como a Live da Microsoft, a PSN Plus se tornava obrigatória para que os usuários do seu sistema pudessem jogar online. O efeito foi praticamente instantâneo, com mais um crescimento expressivo: em menos de um ano, em Outubro de 2014, os assinantes da PSN Plus passaram a somar 7,9 milhões de usuários, em uma base instalada de 13,5 milhões de Playstation 4 vendidos no mundo (como pode ser visto nesta reportagem aqui). A reportagem menciona também que no mínimo a metade de todos os usuários do PS4 teria acesso ao serviço da PSN Plus.

Nos últimos números divulgados pela SONY, em Janeiro de 2016, a base instalada do PS4 somava 36 milhões de usuários. Obviamente, um crescimento proporcional dos usuários da PSN Plus é o mínimo a ser esperado e acaba sendo uma conclusão lógica, apesar de não termos os números precisos por falta de divulgação da empresa.

Entenda agora a fria em que a SONY se meteu com as desenvolvedoras, meu amigo gamer:

Imagine que a SONY se aproxime da Naughty Dog, desenvolvedora de jogos, com uma oferta para a mesma divulgar seu novo lançamento, Uncharted 4, de graça da PSN Plus. Isso significaria que, no mínimo, metade de todas as pessoas que tem Playstation 4 poderiam jogar o jogo de graça e não dariam nem um centavo para a Naughty Dog. Qual seria o interesse da Naughty Dog nisso? O crescimento deixa de ser sustentável, ao contrário do que ocorria em 2012 e 2013 quando o número de usuários da PSN Plus era muito inferior ao número de donos de PS3.

Como a nova geração dos videogames ainda é relativamente jovem, as desenvolvedoras grandes só vão estar dispostas a dar seus jogos de graça quando a expectativa de venda destes jogos não for tão forte como agora. Ou talvez só o façam quando uma nova versão do mesmo jogo estiver no forno para sair (por exemplo, quando Borderlands 1 foi dado de graça na PSN Plus às vésperas do lançamento de Borderlands 2).

psnanalise4Uncharted 4 de graça da PSN Plus mês que vem, só no meu Photoshop

 A solução da SONY

Como podemos ver, a SONY ficou com um problema gigantesco em suas mãos. As grandes desenvolvedoras de jogos se refreiam em botar seus jogos de graça para não perder dinheiro, e a base de usuários da PSN Plus, agora enorme, clama por receber seus games gratuitos.

Encurralada e sem soluções, a SONY acha uma saída simples: ela vai atrás de desenvolvedoras Indies, empresas menores que estão em busca de espaço no mercado e uma base cativa de fãs, e que estão produzindo essencialmente jogos multiplayers, que necessitam de uma larga massa de gamers para jogar. Basta analisar os jogos que estão sendo lançados nos últimos meses para ver que isto não é uma mentira: Dead Star, Rocket League, Helldivers, Nom Nom Galaxy, BroForce, Magicka 2, etc.

Enquanto tudo isso ocorre, a rival Microsoft tenta correr atrás do tempo perdido e recuperar parte do seu market share, dando de graça ótimos jogos na “Games With Gold” que em sua maioria já foram dados antes pela SONY (como Sherlock Holmes Crimes and Punishments e Borderlands em Março de 2016 e Deus Ex: Human Revolution em Janeiro deste mesmo ano). Como a SONY já deu esses mesmos jogos de graça anos antes, não faz sentido para a mesma dá-los novamente – só geraria mais fúria dos fãs, que hoje já não é pequena.

psnanalise5“Eu to esperando ‘Fallout 4’ de graça e recebo ‘Super Time Force Ultra’? Tá de sacanagem, Sony!”

O Futuro

Para os usuários insatisfeitos com a qualidade dos jogos, a solução é simples: parar de assinar o serviço da PSN Plus e parar de choradeira. Se você não gosta de alguma coisa, não a consuma e mostre sua insatisfação. Com a PSN Plus perdendo usuários, a SONY receberia a chacoalhada que precisa para tentar mudar alguma coisa. Se o gamer reclama por meses em sequência mas continua pagando a assinatura religiosamente é porque não está tão incomodado quanto parece estar.

Entretanto, a interrupção do serviço é muito difícil de acontecer, visto que grande parte dos usuários utiliza a PSN Plus para jogar online e quer continuar a fazê-lo. Então, amigo gamer, só resta engolir o choro.

psnanalise6“Vou contar tudo pra minha mãe, SONY!”

A SONY certamente está escutando todas as reclamações de mãos atadas, refém do próprio sucesso e da estratégia que criou de dar jogos de graça. Só resta a ela dar tempo ao tempo, até que as desenvolvedoras de jogos Triple A já não vejam mais potencial de venda nos seus games antigos e queiram distribuí-los de graça para pavimentar o seu futuro.

A pergunta é: se a situação persistir por muito mais tempo, poderia a Microsoft recuperar o prejuízo e alcançar a SONY? Isso só o futuro (e os gamers!) dirão.

De qualquer forma, dada a qualidade dos games indies que são lançados atualmente, na minha modesta opinião de assinante da PSN Plus (que passou 2 anos jogando de graça jogos velhos de 16 bits), acho que os gamers que criticam a SONY hoje estão reclamando de barriga cheia.