Artigo: Electronic Game Show 2015 – México

E quem diria que a minha primeira conferência de games seria internacional?

Aproveitando minha temporada de trabalho no México resolvi dar uma conferida na Electronic Game Show 2015, conferência de games bem similar à nossa brasileiríssima Brasil Game Show que ocorrerá no próximo final de semana. A conferência ocorreu na Cidade do México nos dias 2, 3 e 4 de Outubro.

Querem saber como foi? Vamos lá!

egs1“David Quijano, correspondente mexicano do GCG e eu, logo após chegar na conferência”

Chegando ao local, fui pego de surpresa pela fila quilométrica de mexicanos ávidos para conhecer as novidades lá apresentadas. Gamers jovens e velhos, gamers homens e mulheres, gamers cosplayers, gamers pais e gamers filhos – todos estavam presentes.

Todos gamers como a gente, claro.

egs2“Uma hora e meia de fila para jogar videogame? Moleza”

Logo ao entrar fui saudado pelo enorme stand da Sony. Lá podiam ser jogados o novíssimo Until Dawn, o também novíssimo-porém-ao-mesmo-tempo-velhíssimo Assassins Creed Syndicate, a coletânea remasterizada de Uncharted, Nathan Drake Collection e muitos outros, como Tearaway Unfolded, Metal Gear Solid V e God of War 3 Remaster.

egs3“Stand da Sony, um lugar que gamers como a gente podem chamar de casa”

De lambuja, também havia uma sala fechada que apresentava um gameplay exclusivo de Uncharted 4 (entretanto, infelizmente nada mais era do que o vídeo apresentado na E3 2015, porém estendido de mais 5 minutos de inédita ação ininterrupta)

Também era no stand da Sony que rolava o pega-pra-capar do Call of Duty: Black Ops III, onde se formava a fila que era – de longe – a maior de toda a conferência. O fato curioso vai para a presença de crianças jogando o jogo; não havia qualquer proibição por parte dos organizadores do evento.

egs7“A grande pergunta é: como você vai explicar quando chegar em casa depois de ser comandado por uma criança de 5 anos?”

Logo ao lado, no stand da EA, podíamos pilotar os carros do novo Need for Speed, pular sobre os prédios de Mirror’s Edge Catalyst, nos enrolarmos nos fios de lã de Unravel e disputar um torneiozinho de FIFA 16 onde o ganhador seria presenteado com nada menos do que aproximadamente 20 mil reais.

Entretanto, nada disso importava quando existia a possibilidade de jogar em uma sala fechada a demo do Star Wars: Battlefront. Cada segundo valeu a pena enquanto sorví a obra prima antes que o controle fosse arrancado de minhas mãos.

egs4“Infelizmente era proibido tirar foto lá dentro, portanto fiquem apenas com uma foto da sala por fora e minha palavra de gamer de que o jogo vale a pena”

Andando um pouco mais podia se chegar ao stand da Bandai, onde vários televisores disponibilizavam Naruto Ultima Ninja Storm 4 para ser jogado. Apaixonados por Cavaleiros do Zodíaco como nós brasileiros, os mexicanos também faziam fila para jogar o novo jogo do anime, Alma dos Soldados.

Mas a cereja do bolo ficou – na minha modesta opinião – com Dark Souls 3. Como os controles de PS4 circulavam entre os gamers a cada morte, a fila andava rápido. Espero ansiosamente para destrinchar esta obra prima com mais calma.

egs5“Jogando Dark Souls 3 – Tempo médio de jogo por gamer: 30 segundos.”

A Konami trazia como grande atração o PES 2016. Nosso camisa 10 Neymar estava lá presente como garoto propaganda – em papelão, pelo menos. Assim como no FIFA 16, vários campeonatos eram organizados, apesar dos prêmios não serem tão vultuosos.

Já no stand da Capcom a porrada rolava solta no novíssimo Street Fighter V. Os campeões dos embates de versus ganhavam uma oficial e exclusiva faixa vermelha do Ryu para ostentar na testa durante a conferência.

rodyu“Qualquer semelhança é apenas mera coincidência”

A EGS 2015 também trazia uma área especial para os gamers mais velhos. Era possível jogar desde Atari até Super Nintendo – uma bela overdose de nostalgia. Space Invaders, Pac man, Golden Axe, Super Mario World; eles tinham de tudo um pouco. Nada melhor do que voltar aos tempos de moleque.

egs6“Enquanto isso, essa criança realizava o sonho do Diego Ferreira de jogar o Virtua Boy”

A conferência foi realmente um achado para mim. Fui surpreendido pelo comprometimento, organização e profissionalismo. Fica a dica para quem estiver por aqui pelo México em Outubro de anos vindouros.

Querem saber mais detalhes do que rolou? Aguardem o nosso podcast que sairá ainda esta semana!

Um grande abraço e até lá.

DLC #006: Tokyo Game Show 2015

CastDLC006-VitrineTGS2015

Download | iTunes | Feed
Arte da vitrine: Rodrigo Estevão
Edição: Diego Ferreira

Olá Amigos Gamers! Sejam bem-vindos a mais um DLC! E o assunto é Tokyo Game Show 2015! Será que ela foi melhor do que a E3? Que jogos foram apresentados? Temos decepções? Confiram toda a nossa análise em mais um episódio!

Deixem os seus comentários aqui na postagem ou no nosso facebook! Curtam e compartilhem os nossos conteúdos e sejam Gamers Como A Gente!

O legado do Blue Bomber

Amigos Gamers Nostálgicos! Finalmente foi revelada a data de lançamento do Megaman Legacy Collection! Será dia 25 de agosto para PS4, XOne e PC por US$14,99 (por aqui deve ser algo em torno de R$35 – R$40, versão digital). Infelizmente para 3DS só ano que vem. Também haverá uma versão física da coleção. No entanto, a Capcom apenas revelou o seu preço, US$29,99 (ou no Brasil R$249,90 :p).

MMLegacy1

Para quem está por fora, a coleção se trata dos 6 primeiros jogos da franquia do Megaman, totalmente retrabalhados na nova engine Eclipse. Os detalhes do jogo foram mantidos em todo seu esplendor 8-bit, contudo, eles estão adaptados para os televisores modernos.

MMLegacy2

A coletânea também virá com um modo de Challenge, que desafiará os gamers mais hardcore entre nós. Com a inclusão de leaderboards e modo de replays. E virá com o modo Museum, com uma vasta galeria de arte, rascunhos e até mesmo flyers da época de lançamento.

MMLegacy3jpg

A Database incluirá informações sobre os inimigos, e você poderá enfrenta-los e treinar o jeito de derrota-los! E claro, curtir todas as músicas dos jogos!

Confiram aqui o trailer de lançamento:

Resenha: Resident Evil Revelations 2

REvelacao2Logo

“Yeah, I was almost a Claire sandwich!”


Quanto mais as coisas mudam, mais elas continuam as mesmas

REvelacao2Cast

Nessa edição, a Capcom resolveu fazer algo diferente, ela trouxe uma experiência episódica no acompanhamento da história. Infelizmente, devo dizer o resultado foi um jogo picotado de várias formas para ser vendido de diversas maneiras. Com apenas 4 episódios, o intervalo de lançamento entre eles foi de apenas 1 semana, um pouco diferente do que a Telltale (Walking Dead e outros) e a Square-Enix (Life is Strange) vem fazendo. Apesar da Capcom ter lançado sem atrasos, enquanto que as outras empresas mencionadas o fazem irregularmente, a verdade é que esse curto espaço de tempo acaba minando o aspecto episódico. Deixando aquela sensação de “por que a Capcom não está deixando eu jogar?” Ao final desse período, a Capcom lançou a versão física com todo o material, inclusos episódios extras (também disponíveis na compra do Season Pass), e também mais cara que a digital. Comprar tudo separadamente sai mais caro ainda.

Resident Evil Revelations 2 vem para preencher a lacuna de tempo da série principal que se passa entre o Resident Evil 5 e o 6, da mesma forma que o seu predecessor que se passou entre o quarto e o quinto. Sendo que o primeiro Revelations em 2012 foi originalmente concebido para uma plataforma portátil, era de se esperar uma experiência mais contida e não muito longa. Curiosamente, o jogo conseguiu trazer aquela chama que há muito tempo faltava na série.

Revelations 2 está estruturado em 4 capítulos, mais dois extras (um da Moira e outro da Natalia), e cada capítulo mostra a história do ponto de vista da Claire Redfield e do Barry Burton. Sendo que o capítulo sempre começa com a parte da Claire e termina com o Barry. O jogo pode ser aproveitado no modo cooperativo, porém dessa vez ele é assimétrico, pois os seus parceiros não são capazes em termos de armas. Além de que o gamer pode alternar entre um ou outro, tanto como suporte na batalha quanto para puzzles simples. Ao final de cada parte, pontos são atribuídos pelo desempenho e itens obtidos, há uma skill tree básica onde eles podem ser trocados por melhorias nos personagens. Os pontos podem também ser utilizados para desbloquear outras besteirinhas no menu principal, como roupas, filtros, arte e etc.

O acervo de armas não é muito vasto, mas kits de melhoria podem ser usados e alterar as características das armas. Há também opções como tijolos e garrafas que podem ser usados para distrair os inimigos e atordoa-los. Outras opções de ataque são as garrafas de Molotov, explosão e de fumaça. Além de que ataques furtivos são possíveis e extremamente recomendados.

Adicionalmente, o jogo também conta com o modo Raid (reminiscente do velho Mercenaries) onde o objetivo é matar os inimigos, fazer combos e aumentar cada vez mais os pontos. Como a jogabilidade é bastante boa, é muito divertido ficar por lá garantindo recordes de pontuação.

Claire A

REvelacao2Claire

Durante uma festa de iniciação de membros da Terra Save (agência que tem por objetivo prevenir catástrofes biológicas), homens armados invadem, imobilizam e sequestram todos os presentes. Claire Redfield e Moira Burton (sim, filha do lendário Barry Burton) acordam em uma prisão abandonada e com uma pulseira que não conseguem retirar. Ouvindo uma misteriosa voz saindo da pulseira, elas tentam escapar e descobrir onde estão.

O gameplay das seções da Claire oferece uma experiência mais cadenciada e focada no survival horror tradicional da série. Tendo como parceira a Moira, cuja ajuda é limitada a usar uma lanterna que atordoa os inimigos e um pé-de-cabra para finaliza-los, ou para abrir portas e baús fechados.

Os cenários são bem interessantes e mostram o local onde elas estão de certa forma ainda funcionando. O experimento do novo vírus (alguém duvidava disso?) está transformando lentamente as pessoas quanto mais medo elas sentem. E como estão no estágio inicial, você encontra inimigos mais “humanos” e com um pouco de inteligência, além de alguns usarem armas, como bastões. Os puzzles, se é que podem ser chamados assim, são muito simples, e basicamente envolvem a alternância entre as duas personagens e criar maneiras para que a outra possa passar por um certo ponto. Uma chave aqui e acolá, complementam os obstáculos que elas enfrentam.

Infelizmente, a parte da Claire é bem menor do que a do Barry, sendo a parte final muito mais curta que o normal. Deixa aquele gostinho de quero mais.

Barry B

REvelacao2Barry

Barry Burton, o lendário membro da STARS está de volta. O ponto de vista dele se passa 6 meses depois dos eventos da Claire e Moira, quando ele recebe um pedido de socorro de sua filha e parte para resgata-la. Ao chegar na ilha, ele se depara com Natalia, uma criança de pijama e que possui misteriosos poderes de identificar o posicionamento dos inimigos e seus pontos fracos.

De cara, percebe-se o foco da jogabilidade voltada um pouco mais para ação, visto que Barry está armado até os dentes (inclusive com a sua tradicional Magnum). Como a história se passa 6 meses depois da Claire, você encontra os antigos residentes (sem trocadilho?) em estágios avançados de mutação, gerando mais monstros no caminho de Barry e Natalia. Além de cenários alterados por muita destruição e abandono. É bastante interessante notar essa diferença. Mesmo que tudo seja meio reciclado e tenha aquela sensação de já passei por aqui, não chega a incomodar muito, há cenários novos também. Um mistério são os baús que só a Natalia consegue abrir. Pelo menos a Moira tinha um pé-de-cabra. Vai saber.

Um ponto fraquíssimo para a jornada de Barry são os puzzles de caixa. Simplesmente não dá. São insuportáveis.

REvelando

Percebe-se que o jogo brinca muito com o lore da série. Têm-se várias referências a piadas internas, diálogos ruins do passado, cenários antigos (a parte final do Barry é uma nostalgia). Há um misto de influências antigas e novas no gameplay, atmosfera e outros pequenos detalhes. A história no final das contas, não é boa, mas qual história de Resident Evil é boa mesmo? Mas isso não quer dizer que ela não seja divertida em seus absurdos e cada vez mais ela vai se complicando de tal forma que às vezes não dá para acreditar. Mas o lance é sentar, relaxar e se divertir, e não achar que está lendo Neil Gaiman. Até mesmo a vilã é uma referência ao passado, mas sua motivação não é das melhores.

A estrutura do jogo me lembrou muito o Resident Evil 2, que é um dos meus favoritos, além de, claro, ter a Claire Redfield que é uma das minhas favoritas. A faceta episódica que a Capcom montou pode ser questionável, mas até que funcionou. O jogo não é muito longo, e jogar separadamente cada parte dá a sensação de que ele é mais curto do que realmente é. Existe um valor em jogar novamente, para pegar novos itens, pontos e melhorias. Os gráficos são relativamente mais simples, o escopo do jogo não é grandioso, e percebe-se isso pela pouca variedade de cenários. Mas mesmo assim são legais, só não possui os muitos detalhes que um Last of Us da vida tem. Os personagens têm mais detalhes que os monstros, tanto na movimentação quanto na aparência. Mas os monstros são poucos em variedade e bastante óbvios para liquida-los.

Mais do que uma revelação eu diria que esta versão é uma reminiscência boa de como a franquia possui ótimos pontos fortes, que podem ser melhores aproveitados na série numerada normal. Recomendado para fãs. Não fãs, podem gostar de jogar, mas ficarão perdidos na história maluca.

Nota: REvelacao2Nota (3,0 / 5,0)

Indo ao encontro do mais forte!

Gamers! Querem teste melhor do que dois dos melhores jogadores do mundo fazendo um test drive no Street Fighter 5? O vídeo mostra um embate entre Ryu e Chun Li e de pronto ficam evidentes as diferenças entre o novo título e o anterior. Os personagens estão com bastante fluidez nos movimentos e contando com algumas novas técnicas. Um destaque interessante vai para a finalização do Ryu no primeiro round (spoiler :p) onde mostra o cenário quebrando.

Street Fighter 5 será exclusivo para PC e PS4 e a Capcom diz que os jogadores dessas duas plataformas poderão se enfrentar.