GCG News: Ano 2, Edição 13

GCGNEWS013-Setembro2017

Download | iTunes | AndroidFeed | Soundcloud
Arte da vitrine: Rodrigo Estevão
Edição: Rodrigo Estevão

Olá Amigos e Amigas Gamers! Sejam bem-vindos a décima terceira edição do segundo ano do GCG News! O seu noticiário gamer! Comentamos os principais lançamentos dos games, as ofertas dos jogos de graça nos serviços da Sony e Microsoft e as principais notícias do mês!

Apertem logo o play e vamos lá!

Já conhecem a nossa forja de armaduras? É bem aqui! Não deixem de ver a nossa estampa “It’s a Me Mario“! Adquira já a sua camiseta Gamer Como a Gente!

Dúvidas, sugestões, xingamentos, desafios ao mestre platinador é só chamar a gente no email: gamercomoagente@gmail.com

Podem também deixar seus comentários nas postagens e não se esqueçam de acessar o nosso FacebookTwitter!

Artigo: BGS 2016 – Povão Kombat 2!!!

BGS-64.jpg

Gamer de verdade não quer saber se vai ficar em filas intermináveis até cansar, não quer saber se vai ficar procurando o que comer sem ter onde sentar, gamer de verdade não quer saber se o chão está limpo ou sujo – coloca a calça surrada e senta no chão sujo mesmo! Dia da imprensa é tudo lindo e belo, mas a organização do evento é posta a prova mesmo é no dia do povão, que até a edição do ano passado estava mais cansativo do que matar o Shao Kahn na dificuldade hard! (exagero, nada é mais difícil que o Shao Kahn no modo hard…).

Choose your destiny

Ano de 2016 é ano de casa nova! Depois de quatro edições sendo realizado na Expo Center Norte, a organização resolveu mudar a local do evento para um local maior, a Expo São Paulo. Local foi recém-reformado e fica um pouco mais distante para os gamers de outros estados, já que fica mais distante da maior rodoviária da cidade, além disso, por ser a primeira vez da realização do evento no local, já esperava por algum tipo de problema. Mas fico feliz em afirmar que foi a BGS mais bem organizada de todos os tempos!

BGS-57.jpg

Todos os pontos negativos da feira do ano passado foram prontamente solucionados esse ano. Como já citado no artigo anterior sobre a BGS (clica aqui ó!) a disposição dos estandes ficou bem melhor organizada esse ano, o maior espaço do novo local foi vital para que os corredores da feira fossem bem grandes perto dos estandes mais concorridos, isso no dia do povão fez uma diferença enorme! Mesmo próximos ao estande da Sony e da Microsoft o transito de pessoa fluía muito bem e nenhuma parte da feira estava intransitável como nas edições anteriores.

Houve também um bom senso em relação a disposição dos dois maiores estandes da feira, o que já era pedido desde a edição 2012, deixaram de colocar os estandes da Sony e Microsoft frente a frente e sim lado a lado. Isso fez com que as filas dos estandes não se misturassem e se concentrassem no centro do corredor principal e isso não tirou a mobilidade do corredor nem mesmo nos horários onde a feira estava mais cheia. Sem dúvidas o melhor acerto em termos de conforto da organização.

BGS-63.jpg

Outro ponto a se destacar é a entrada da feira, poucos minutos após a abertura dos portões, a fila na entrada já era muito reduzida e conforto para os que chegaram cedo era razoável, já que o local era coberto (embora não tão coberto como na edição do ano passado por exemplo). Ônibus da feira buscavam os visitantes na saída do metrô e isso também facilitou a chegada ao local da exposição.

O ponto negativo do local é a saída para veículos, todos os carros que chegavam ou saiam do evento tiveram que passar pela mesma rotatória e na hora da saída tudo fica pior já que o prédio-garagem ao lado do evento tem duas saídas desembocando na mesma rotatória. Resultado, pelo menos 40 minutos para conseguir sair do local da feira.

Test your might! (Esse ano, nem tanto)

BGS-61.jpg

Todos os anos, os gamers tem uma provação, as filas para jogar os jogos…

No ano passado, no dia do povão só consegui jogar três jogos nos estandes mais movimentados. Jogar algo no estande da Sony era algo quase impossível! Mas esse ano meus amigos, finalmente as coisas mudaram.

Pelo lado da Microsoft, tudo estava tão organizado como sempre. Filas bem arrumadas, tempo de espera moderado e atendentes sorridentes defendendo a marca da empresa. O grande problema sempre foi para os lados do Playstation.

Mas esse ano, além de ter o estande mais bonito da feira, a Sony também fez o seu dever de casa na organização. Todos os jogos tinham tempo pré-determinado para jogar, nada mais de ver o cara passar 50 minutos jogando até morrer. Também existiam muitas estações para jogar os jogos mais concorridos onde pelo menos 20 pessoas entravam de uma única vez, isso fez com que as filas tivessem tempo estimado de espera. Muito mais conforto para se planejar aonde gastar seu precioso tempo.

BGS-50.jpg

Além disso, até mesmo os pequenos estandes conseguiam se organizar e suas filas jamais atrapalhavam o trânsito de pessoas nos corredores. É um orgulho dizer que finalmente a BGS chegou a um ponto aceitável de conforto, mesmo com grandes públicos.

Finish him!

Grandes acertos de organização, jogos exclusivos para se jogar, conforto na movimentação de pessoas e variedade incrível de coisas para se fazer e se comprar (Deck do Magic comprado! Só falta saber jogar) deixam a feira cada vez mais atraente para o público gamer,.Mais do que nunca, recomendado!

BGS-19.jpg

Artigo: BGS 2016 – Street Indies 2 -New Challengers!

BGS-5.jpg

Como já dito no artigo anterior da BGS, este ano os Indies nacionais tiveram um grande destaque na feira. Localizados atrás dos estandes mais visitados, não raro vimos a Rua Indie tão movimentada quanto a avenida principal. A moral estava tão alta que houve até mesmo pequenos campeonatos valendo brindes dos jogos em horários marcados, algo que nunca houve, e a animação e profissionalismo eram visivelmente maiores graças ao grande suporte de negócios que fez com que grande parte deles saísse da BGS com conversar em andamento ou negócio fechado para rodar seus jogos na PSN e Xbox Live.

Vamos aos Indies que chamaram nossa atenção na feira, sempre lembrando que o número de jogos bons está cada vez maior e falta espaço para falar de todos eles.

Aestium – Dawn of hope

0.jpg

Aestus, planeta devastado por guerras nucleares, tem sua pouca população batalhando por cada metro das cidades devastadas em busca de sobrevivência. Quando a humanidade já parecia estar fadada ao seu fim, surge um novo elemento chamado Phocus que serve de energia para veículos rudimentares e alimentam a magia dos conjurocratas. É o grande motivo para a batalha nesse game.

Jogo de card game desenvolvido pela Penski Studio, Aestium tem regras simples em relação a outros card games no mercado. Porém, tem vários diferenciais que obrigam o player a ter um raciocínio estratégico na hora de jogar já que o cenário influencia positiva e negativamente nos valores de defesa e ataque das cartas. Não necessariamente um terreno é totalmente influenciado pelo mesmo elemento, como as batalhas se passam em cidades devastadas, pode haver um deserto no lado direito do mapa e um lago do lado esquerdo e isso pode gerar um problema na hora de dispor as suas cartas pelo cenário.

BGS-7.jpg

Outro grande diferencial do jogo é que ele é totalmente grátis, você baixa o jogo e a única coisa que será cobrada são as skins, grande sacada para massificar o card game.

Será lançado ainda em 2016 pela Steam, no Xbox Live e futuramente na PSN. Quer testar o beta? Inscreva-se no site da galera!

http://www.aestium.com/

Trajes Fatais

NE3Epd.jpg

As vezes, mesmo as grandes produtoras de jogos de pancadaria tem problemas em encontrar uma fórmula de batalha divertida tanto para os novatos quanto para os jogadores mais hardcore, esta fórmula foi muito bem trabalhada no jogo Trajes Fatais!

Desenvolvido pela Onanim Studio através de crowdfunding, o jogo se passa em uma festa a fantasia onde um uma entidade misteriosa chamada Makiabel concedeu aos convidados o poder verdadeiro relativo as fantasias que os mesmos estavam utilizando na festa, a única maneira de escapar é vencendo o torneio proposto pela entidade.

BGS-6.jpg

Basicamente o jogo tem apenas dois botões de ataque – um de soco e outro de chute. O diferencial é que dependendo do botão direcional que você pressiona juntamente com o botão de ataque, o golpe muda e é possível encaixar combos devastadores caso o jogador saiba o que está fazendo. Mas até mesmo os players mais avançados terão algum problema para repetir o mesmo combo várias vezes, o jogo não conta com uma barra de life como geralmente vemos e sim com esferas que se apagam conforme se leva dano, a cada esfera apagada o personagem fica por um curto período sem levar dano algum, o que impede combos infinitos, além de outras funcionalidades.

O jogo tem ótimo sistema de colisão, gráficos muito bonitos e personagens carismáticos além de um som empolgante, a previsão de lançamento é em algum ponto de 2017, primeiramente para PC (Windows, Linux e MAC) e em seguida para Xbox One, PS4, IOS e Android.

http://trajesfatais.com/kickante/en-us/

Black Iris

cf170a_9e5411f675a541d7a3f0b9f4c633494f.png

“Em uma terra distante chamada HERA, muitos humanos estão sofrendo ataques de monstros de todos os tipos, e uma de suas vítimas foi Iris, uma garota que acorda em sua cela sem saber seu nome e sem memórias. A protagonista de Black Iris procura pistas sobre suas memórias perdidas, mal sabendo que sua origem lhe dará poderes, dentre elas, o poder de fazer um contrato com o Aspecto das Sombras.”

Jogo criado pela Hexa game Studio e que bebe muito na fonte de Dark Souls e Witcher 3, Black Iris tem mecânicas típicas de um action RPG com respostas rápidas tanto no ataque e nas esquivas, além de cenário envolvente e belo, com efeitos de luminosidade muito bem detalhados. O jogo chama a atenção pela organização dos integrantes da equipe, apenas três pessoas, que conseguiram colocar uma demo de qualidade apenas oito meses após o início do desenvolvimento do jogo e já tem previsão de lançamento para o primeiro semestre de 2017. O jogo, que será lançado para PC, já foi aprovado pela Sony e estará também no PS4.

BGS-12.jpg

http://www.hexagamestudio.com/black-iris

The Last War

BGS-3.jpg

Já pensou em escapar de zumbis e sobreviver a escassez de recursos correndo pelo quintal da sua casa? Essa é a premissa de The Last War!

Totalmente ambientado na cidade do Rio de Janeiro, o jogo se passa em um mundo onde um vírus letal que se espalhou e os sobreviventes devem correr atrás de recursos para se manter vivos e armados o suficiente para fugir dos zumbis, resultado final da mutação do vírus. O jogo te incentiva a formar clãs para se proteger, mas um jeito prático de conseguir recursos é eliminar os outros players e roubá-los.

Porém, uma força tarefa, semelhante ao BOPE, percorre o mapa procurando ajudar os sobreviventes, mas se você for um assassino serial de players, você também será caçado pela força tarefa, denominada apenas de “a ordem”.

BGS-2.jpg

Apesar de estar ainda na pré-alpha, o estúdio wolfb conseguiu realizar um excelente trabalho com as mecânicas e sons do jogo. Além de contar com lindos efeitos de luz proporcionados pela Unreal engine, os mapas são criados baseados em plantas reais de prédios do Rio de Janeiro, jogamos no mapa de uma escola onde era possível ver ao fundo o prédio do hotel Sheraton e foi incrível para a ambientação perceber que o mapa era real.

Para a pré-alpha de 2017 que será lançada na Steam, a área de jogo terá 22 km e será aumentada aos poucos, no prazo de dois anos a promessa é de que essa área alcance incríveis 400 km!

Viva a indústria nacional de games!

BGS-13.jpg

A cada ano, podemos verificar que existe mais e mais o aumento de qualidade dos jogos indies nacionais e é gratificante vê-los dividindo espaço e atenção com jogos consagrados. Chroma Squad e Shiny são exemplos de jogos de excelente qualidade que já estavam sendo apresentados diretamente nos estandes da Sony e da Microsoft. Desejamos sorte e sucesso para todos aqueles que buscam os seus sonhos!

 

Artigo: Brasil Game Show 2015 – Indie Dream Match Edition

Nos fundos da BGS, existia uma rua alegre e contente e com pessoas repletas de simpatia. Pessoas que lutam contra a falta de apoio maciço de third parties e o preconceito de gamers que só pensam em triple A. Eles são nossos amigos desenvolvedores de jogos Indies nacionais!!!

A intrépida equipe do GCG, capitaneada por mim, invadiu essa rua desconhecida de muitos frequentadores da BGS para ver o que há de bom lá. E vimos coisas interessantes…

BGSIndie1

Entre robôs simpáticos e aliens promissores

Nosso primeiro encontro foi com um robozinho simpático chamado Kramer 227. Daniel Monastero da Garage 227 nos convidou para conhecer a sua história. Ele foi abandonado pela humanidade em um mundo em colapso junto com seus irmãos robôs, a falta de energia os mataria eventualmente antes mesmo da destruição do mundo onde estavam exilados, mas Kramer 227 não aceitou esse destino! Em um jogo com movimentação estilo plataforma, sua missão é sair do planeta e resgatar o máximo de amigos que puder, mas seus movimentos devem ser precisos, cada movimento lhe custa energia que deve ser dosada até o fim da fase. Conforme salva seus irmãos, mais energia fica disponível para o nosso simpático protagonista. Este jogo é SHINY! Será lançado para Xbox One e PC, esse jogo tem uma movimentação incrível e gráfico bem legal.

BGSIndie2“Acabando a energia mais rápido que bateria de celular viciada.”

Também da Garagem 227, Dead Flowers estava presente em um demo onde podíamos ver o protagonista e os incríveis efeitos da Unreal Engine 4, a mesma de Batman Arkham Knight. Com o objetivo de ser um jogo com qualidade triple A, Dead Flowers nos trás a história de um Alien que tem o seu povo escravizado pela raça humana, invertendo completamente o esquema terra-conquistada-por-aliens, prometendo uma história não linear onde todas as suas decisões afetaram a narrativa, esse jogo está programado para PS4, Xbox One e PC. Ainda em pré-produção, deve demorar a vermos essa história.

BGSIndie3“Daniel Monastero e o futuro triple A brasileiro.”

Confiram mais no site da Garage 227 Studios.

Koizas interessantes no stand temático

Povao7“Nem chamou a atenção esse stand…”

Com certeza, o stand mais enfeitado e bonito da BGS. A Messier Games e Animation nos trouxe o universo Kriaturaz!! Especialmente feito para a BGS, estava rolando um jogo de luta com uma animada partida entre a Cuca e o Saci. Mas a parte legal e interessante é que os golpes eram enviados via Twitter! Porém meus amigos, essa não era a atração principal… a atração principal era um RPG! No mesmo universo, Kriaturaz te oferece um ovo que, variando conforme o cuidado desprendido pelo gamer nasce uma criatura que será evoluída conforme se realizam quests. Você enfrenta inimigos em um mapa que, graças a um sistema de localização, são baseados nas lendas locais da região onde o gamer está jogando! Mas essa não é a única função do sistema de localização automática.

Ao determinar a localização do player, o jogo indica um determinado local para que seja visitado, ao utilizar o QR Code em um determinado item, o jogador poderá conquistar um item especial e raro para facilitar as suas aventuras.

Outro ponto interessante é que o game recebeu apoio da lei de incentivo a cultura, bela iniciativa que prova que cada vez mais os games são tratados como uma atividade cultural no Brasil.

Quer saber mais? Confira no site da Messier.

Jogos que relembram a infância

BGSIndie4“Povão animado para jogar um futebol de botão.”

Em um stand interessante nós vimos um jogo que nos levou direto para nossa infância. Desenvolvido pela Smyowl, Super Button Soccer vem com o futebol de botão direto para a tela de PC ou console! Com gráficos interessantes e power ups que turbinam a partida, esse curioso jogo oferece multiplayer local e online além de um modo de temporada para você se divertir. Com mecânicas competitivas e até mesmo com campeonatos patrocinados de e-sport, esse jogo está em open beta para teste no site Smyowl, corre lá que pode dar tempo de participar!!

BGSIndie5“Pipa? Soltei muito no ventilador lá de casa!”

Depois dessa surpresa da infância que abalou os nossos corações, nos deparamos com um game até mais curioso que o anterior… Você que subia na laje para soltar uma pipa, que corria pelas ruas atrás de uma pipa cortada ou até mesmo, soltava pipa no ventilador, vai se identificar na hora com esse maravilhoso jogo. Pipa Combate!!

Esse jogo te leva a combates mortais em busca da pipa do seu adversário online, por cenários como a praia, a favela, entre outros. Em apenas 4 meses, mais de 12 milhões de pessoas já baixaram o jogo e não se assuste pelos gráficos simples, é divertido demais.

Confiram em Pipa Combate.

Dark Souls BR?

BGSIndie6“Nem uma garrafa com uma rolha poderá te salvar do Saci!”

Estávamos exaustos, com dores nos joelhos de tanto andar, já era final do dia e nos dirigíamos para a saída quando nos deparamos com um jogo interessante. Tinha uma temática sombria onde um guerreiro indígena enfrentava um monstro gigante em uma arena, portando flechas de raios e se movimentando no estilo Dark Souls.

Este jogo é Guerreiros Folcloricos! Nele você é Kambaí, um lendário índio guerreiro. Segundo a história oficial do jogo, as criaturas lendárias, vindas do mundo chamado Akakor, podiam coabitar com os humanos na terra, os ajudando ou os caçando. Porém, o Saci queria destruir a humanidade por achar que eles não mereciam a dádiva de viver na terra. Juntando-se a aliados como o Curupira, Saci tentou destruir tudo, mas foi rechaçado para Akakor por Kambaí e seus poderes. Isso foi há 300 anos.

Nos dias de hoje, Saci se tornou o monarca tirano de Akakor e planeja retornar ao mundo dos homens e completar a sua vingança, prevendo isso Tupã envia o seu guerreiro lendário e aparentemente imortal Kambaí para derrubar os aliados do Saci e destronar o odioso tirano.

Com uma história sólida e design de personagens muito bem feitos, Guerreiros Folclóricos foi uma grata surpresa na BGS deste ano.

Confiram mais em Guerreiros Folclóricos.

Cenário promissor

Em comparação a BGS do ano anterior, podemos observar com facilidade que o mercado de games nacionais está crescendo a olhos vistos. Desenvolvedores não só para jogos mobiles e PCs como também para os consoles de última geração colocam o nosso nome no cenário gamer mundial e abrem mais um mercado para nós.

Parabéns a todos que fizeram parte da  rua Indie  da BGS, até mesmo para os jogos não citados aqui por falta de tempo da nossa equipe para conhece-los ou de espaço nesta matéria. O Gamer como a Gente lhes saúda!!

DLC #008: Brasil Game Show 2015

CastDLC008-VitrineBGS2015

Download | iTunes | Feed
Arte da vitrine: Rodrigo Estevão
Edição: Diego Ferreira

Amigos Gamers! Sejam bem-vindos ao DLC final das conferências! Diego Ferreira, Diogo Moura, Rodrigo Estevão e Priscila Moura contam as suas experiências no maior evento de games da América Latina! Falamos da organização e disposição do evento, dos stands, da área de Indies e claro, de jogos! Apresentamos também um conteúdo extra onde discutimos o recente aumento de preços dos games e do Xbox no Brasil.

Dica: Escutem até o final depois das despedidas 😉

Conteúdo extra sobre a BGS:

– Brasil Game Show 2015: Dia da imprensa
– Brasil Game Show 2015: Indie Dream Match Edition
– Brasil Game Show 2015: Povão Championship Edition
– Brasil Game Show 2015: Momento em fotos

Curtiram o conteúdo? Deixem as suas opiniões aqui na nossa postagem ou nosso facebook e sejam gamers como a gente!