Resenha: Assassin’s Creed Odyssey

acodysseylogo


Assassin’s Creed Odyssey se passa em 431 a.C durante a guerra Peloneso (Esparta vs Atenas) na Grécia Antiga, os personagens centrais são Kassandra e Alexios ambos Espartanos e irmãos, pela primeira vez na franquia o jogador pode escolher entre dois personagens para iniciar sua jornada. Em Assassin’s Creed Syndicate isso até ocorria, porém de uma maneira bem diferente, alternando durante o jogo os personagens. Neste novo você inicia com Kassandra ou Alexios e joga com um deles até o final, sendo a história a mesma para os dois.

A história gira em torno de encontrar sua família, que foi tragicamente separada por eventos protagonizados pelo O Culto, os cultistas serão os inimigos do jogo assim como os templários foram nos anteriores, responsáveis por manipular tudo na Grécia, desde a política até a parte militar, sua posição social no game é de mercenário (Misthios) cumprindo contratos e participando de batalhas, por Atenas ou Esparta.

Assassin's Creed® Odyssey

Assassin’s Creed® Odyssey

De inicio, nota-se como a mecânica  de luta mudou, os inimigos se defendem e esquivam bem mais. Surpreendendo nos ataques, o que demanda muita mais do jogador. Alguns golpes são indefensáveis, assim como muitos ataques podem ser quebrados, pode-se dizer que as lutas estão bem mais “travadas” comparando com outros jogos da franquia, não que isso seja um ponto negativo. Particularmente batalhas assim elevam a dificuldade do jogo fazendo o jogador pensar diversas vezes antes de tomar alguma atitude que vá alertar os inimigos, optando talvez pelo modo stealth, porém mesmo surpreendendo o inimigo com golpes na surdina pode ser que não mate em um golpe só, caso ele for level mais alto ou igual ao do personagem, o que também eleva a dificuldade.

Algo tirado também de outro jogo da franquia (Assassin’s Creed Black Flag), foram as batalhas navais a bordo de Adrestia. O jogador sairá mar afora em busca de piratas, navios espartanos ou atenienses. Com sistema de progressão para melhorar seu navio e muitas quests para cumprir em alto mar, chega a ser incrível e bem impressionante. O ponto negativo aqui é que as missões em alto mar, podem ser repetitivas e sem muito sentido, com único propósito de adquirir espólios mais rápido e assim ter materiais suficientes para melhorar seus equipamentos e o próprio navio. Poderiam ter explorado um pouco melhor da história nesse sistema.

A história do jogo é bem rica, e pela primeira vez o jogador pode fazer suas escolhas nos diálogos, algumas podem até mudar o rumo da história ou ter consequências em alguma sidequest, o que deixa mais imersivo e mais característico para o jogador. Além das missões secundárias que o jogador encontra pelo mapa, é possível encontrar mais nos murais pelas cidades, algumas levam a descobrir a identidade de algum cultista, outras iniciam jornadas em busca das figuras lendárias gregas, como Minotauro, Ciclope, Medusa e Esfinge. Lembrando que completando a jornada de todas essas figuras além do final da história principal o jogador libera mais um final bem interessante e que explica diversas coisas sobre a franquia!

Assassin's Creed® Odyssey_20181115210147

Assassin’s Creed® Odyssey

Não só de figuras lendárias, mas também podemos encontrar personalidades no jogo como: Socrátes, Leônidas, Alcíbades, Herótodo, Hipócrates, Péricles e Pitágoras. O que torna as quests interessantes, visto que o jogo apresenta e explica quem são, além disso algumas missões chegam a ser bem engraçadas o que distrai mais o jogador da mesmice que algumas missões podem causar. Diferente de alguns de seus antecessores as missões estão bem menos cansativas, cativando o jogador a se aprofundar um pouco mais na história.

Durante o jogo caso o jogador cometa crimes públicos, um mercenário é mandado para te caçar por um preço, esse sistema é até interessante, porém antes de qualquer missão pague a recompensa pela sua cabeça, afinal as batalhas já estão um pouco mais complicadas e garanto que você não irá querer mais um no seu pé, ou te atrapalhando no meio da missão (sim, eles te caçam até o fim).

A árvore de habilidades está bem parecida com a do Assassin’s Creed Origins com diversas habilidades interessantes que ajudam muito durante as batalhas, uma delas é essencial: a regeneração da barra de vida. Para habilitar uma habilidade é necessário ponto de experiência, que é ganho a cada level atingido, o ganho de experiência é bem lento. Para adquirir dois níveis, eu levei em torno de duas horas e meia mais ou menos, porém esse tempo pode variar de acordo com os tipos de missões realizadas, de qualquer maneira é um ponto negativo, porque pode desanimar ou tornar uma experiência penosa.

Assassin's Creed® Odyssey_20181113232835

Assassin’s Creed® Odyssey

Os equipamentos e armas possuem habilidades específicas, e até dano elemental. Assim como as armaduras também. E caso você complete algum conjunto de armadura libera uma habilidade “oculta”. Lembrando um pouco mecânicas de RPG, os equipamentos podem ser melhorados para o level atual que o jogador estiver, pode-se também entalhar algumas habilidades e assim construir um equipamento que combine com habilidades de suas armas.

Assassin's Creed® Odyssey_20181113232820

Assassin’s Creed® Odyssey

Meu veredito final é: Assassin’s Creed sofreu muito para recuperar todo prestígio que conseguiu com a saga de Ezio Auditore, as coisas começaram a dar bem errado em Revelations com seus famosos “bugs”, porém Odyssey chegou para tentar recuperar o último fôlego da saga. Com todas essas mudanças e inovações a Ubisoft merece mais uma cansada chance do jogador, eu, como fã da saga, gostei do produto final, e fiquei muito feliz em poder jogar com uma personagem feminina. A história é interessante e até intriga, mesmo depois de finalizado tem um amplo conteúdo pós game. Além de algumas missões eventos, que podem render mais 25 horas de jogo somadas a história principal rende 50 horas, pelo menos.

Assassin's Creed® Odyssey

Assassin’s Creed® Odyssey

Finalmente Assassin’s Creed está no patamar de ser indicado para alguém jogar sem medo de se arrepender. Lógico que não é recomendado para quem não gosta de jogos de mapa aberto.

Nota: (4 / 5) Malakas (depois de 3 horas de jogo, você vai se pegar falando isso!).