Resenha: The Legend of Zelda: Breath of the Wild

The_Legend_of_Zelda_Breath_of_the_Wild_logo

Zelda Merda, digo, Zelda Breath of the Wild

2.5/5. Essa é minha nota para Breath of the Wild. Deveria respeitar o formato consagrado dos reviews do GCG, mas, por divergir tanto de tudo que eu leio a respeito desse jogo, achei melhor tirar essa etapa do caminho logo e lhe preparar, caro leitor, para o que está por vir.

Antes de mais nada, digo que tudo que eu queria era concordar com as reviews e ter adorado o jogo. Sou um fanboy confesso de Zelda desde o Ocarina of Time. Minha expectativa era imensa, e agora, uns quinze minutos depois de matar Ganon e salvar Hyrule mais uma vez, ela só é menor que minha decepção. E estava muito aberto às mudanças e a quebra com o antigo formato. Vou fazer uma análise um pouco mais objetiva do que estou acostumado, ponto a ponto, sempre salientando o que eu esperava e o que eu obtive.

Puzzles

Provavelmente com um intuito de retomar a sensação de exploração livre que o primeiro jogo da série evocava em 1986, BotW começa com Link recebendo todos os itens que contemplam a mecânica de puzzle do jogo. Sua progressão não depende da obtenção de itens em uma determinada ordem, o que nos jogos anteriores gerava uma narrativa linear com apenas a sensação de mundo aberto. Você conseguia ver a entrada para o Forest Temple no Ocarina of Time, mas precisava do hookshot para alcançá-lo, por exemplo. Todo dungeon tinha um item específico que, uma vez obtido, resolvia quase todos os seus puzzles.

Quando entendi que o jogo seria assim fiquei muito empolgado. Os quatro itens -runas, como são chamados- logo no inicio do jogo possibilitariam, alem de um mundo verdadeiramente aberto, puzzles que necessitassem de seu uso de forma combinada. As possibilidades eram infinitas…

Bombas, plataformas de gelo, imã e paralisar um objeto no tempo: os quatro elementos de Breath of the Wild.

A maior parte dos puzzles são em shrines espalhados pelo mundo, e eles são muitos. São, também, a única remanescência real com os dungeons e a velha estrutura dos Zeldas anteriores. Salas em que se progride, geralmente, usando as tais runas para resolver um problema. Zerei o jogo tendo feito entre 35 e 40 desses shrines. Não gastei mais de dez minutos para resolver nenhum deles. E esse é um problema claro desse jogo: Ele te dá água na boca com as possibilidades das runas e as explora de forma rasa e insatisfatória.

Exploração e platforming

Entendo que, em termos de game design, mais importante que como o jogador pode explorar um mundo, são as mecânicas que o impedem de progredir. Nos outros Zeldas, o progresso era limitado somente pela ausência de itens. Em BotW, existem basicamente dois fatores que te impedem de chegar em algum lugar: temperaturas extremas e um caminho que necessite gastar stamina. Para o primeiro, poções permitem neutralizar a temperatura de forma temporária e roupas especiais, de forma definitiva. A stamina pode ser aumentada usando os itens que se ganha resolvendo os shrines, que fazem papel da experiência.

Link gastando stamina enquanto corre. E no frio sem o casaquinho, desobedecendo a mãe.

BotW é um jogo que escolheu ter pouca indicação de destino, favorecendo uma exploração muitas vezes movida por curiosidade e sem um objetivo pre-definido. Isto não é um problema em si, Dark Souls também faz isso e é uma de minhas franquias preferidas. A principal diferençá é que Dark Souls te recompensa pela exploração. Já BotW… Depois de escalar milhares de montanhas gerindo muito bem minha stamina e, muitas vezes, precisando de algumas tentativas, cansei de quase nunca encontrar nada. Se o jogo espera que eu explore o vasto mundo que ele me apresenta, ele tem que criar um incentivo decente.

escalandoDurante muitos momentos, esqueci que estava jogando Zelda e pensei que era um climbing simulator

Quanto aos lugares muito frios ou quentes, a pouca indicação de onde conseguir gear decente para exploração, quase sempre, também deixa a desejar. Resumindo, senti que o jogo demanda uma exploração cega e não tem um sistema de recompensas condizente com isso. Mais frequentemente do que gostaria, me senti sem rumo e objetivo.

É também importante dizer, nesta seção, o quão ridícula é a mecânica dos cavalos. A ideia é que você domestique os cavalos, capturando-os e usando-os para se locomover. Quanto mais o jogador os usa, mais fortes os laços e mais obediente é o cavalo. Dito isto, que é belo em teoria, o algoritmo de rota dos cavalos é horrível, o que faz com que o jogador tenha que estar constantemente lutando contra o animal para ir na direção que quer. Acrescente isto ao fato do bicho não poder cruzar vários obstáculos e terrenos, e que, inacreditavelmente, ele não é teleportado junto com Link no fast travel. Resultado: não usei.

cavalo selvagemOlha que bonitos os cavalos selvagens. Vamos deixa-los livres?

Combate

Talvez o aspecto que mais diferencie BotW dos outros Zeldas seja onde o jogo tem mais sucesso. Mas calma, tem problemas sérios aqui também…

O combate foi totalmente repensado. A maioria dos encontros se dá em acampamentos inimigos, e a maneira como o jogador entra nesses lugares já é parte da briga. Seja de forma sorrateira, a la Solid Snake; seja empurrando uma pedra ladeira abaixo matando todo mundo; ou seja no estilo rambo, a briga tende a ser boa.

Por se passar em uma versão pós apocalíptica e, como o nome diz, selvagem de Hyrule, o jogo tem muitos elementos que remetem à escassez e sobrevivência. Por conta disso, tanto as armas quanto os escudos tem uma vida útil bastante curta. Isso provoca uma ótima tensão e uma dualidade entre bater ou correr que se encaixa muito bem à proposta. No início do gameplay, achei bem desafiador as armas quebrando rápido, me forçando a gerenciar muito bem meu inventário e escolher muito bem minhas batalhas.

arma quebrando

Dito isso, gostaria de levar você, meu estimado leitor, de volta a 1998. O ano mágico em que The Legend of Zelda: Ocarina of Time foi lançado. Pense que este maravilhoso jogo, este petardo da indústria, essa joia de carbono, foi o primeiro jogo de terceira pessoa com uma mecânica de lock-on. Sim, antes de OoT, a mira em jogos de terceira pessoa era, de maneira geral, horrível. Essa revolução foi e é devidamente e corretamente copiada desde então. Zelda foi a franquia responsável por isso. E por quê que perdi um parágrafo inteiro falando de um jogo de 16 anos de idade? Porque me parece irônico que BotW, que também é Zelda, tenha um sistema de lock-on dos mais nojentos, horríveis e deploráveis que eu já vi.

Todo o propósito do lock é travar a câmera. Em BotW a câmera fica livre. Ou seja, o jogador é obrigado a dividir seu precioso polegar entre atacar e ajustar-la. Imagino que a razão disso seja o fato de que os inimigos te cercam mais do que em jogos anteriores, podendo de atacar pelas costas. Se for isso, o ataque poderia ser nos gatilhos R e ZR… Fora que acontece do inimigo lockado estar fora da tela. Isso, pra mim, é inadmissível. Nos bosses, é especialmente problemático.

Além disso, achei que o dano resultante de um golpe inimigo muito alto. O jogo te pune absurdamente por errar, e os controles do combate não são precisos e aperfeiçoados o suficiente pra justificar isso. Sob o risco de ser acusado de fanboy, Dark Souls faz melhor nesse quesito. Saliento que só faço esta comparação recorrente porque, ao jogar BotW, fica evidente que Dark Souls foi uma inspiração bastante relevante.

Dungeons” e Bosses

Em Hyrule de BotW existem quatro colossos artificiais, tanques de guerra autônomos em formas de animais contruí dos originalmente para ajudar a destruir Ganon. Mas, como os hylians não tem o habito de ler ficção cientifica e prever o óbvio, eles foram possuídos por espíritos sob o comando do vilão. Cada um desses espíritos é um Boss, e as dungeons são os tais colossos.

A ideia da dungeon, que é marca registrada da série, ser uma máquina é ótima. A resolução dos puzzles parte do jogador operar a máquina, mudando o ambiente e tornando acessíveis elementos novos. Por exemplo: um destes colossos é um elefante. Seus puzzles envolvem mudar a tromba de posição, para que caia água em lugares diferentes.

colosso

Mas, como é de praxe nesse jogo, a ideia é bem melhor que a execução. As dungeons são todas extremamente curtas e, na minha opinião, ridiculamente fáceis. Eu entendo e acho justo querer romper com uma fórmula que poderia estar estagnando a franquia. Respeito muito a experimentação e sinto falta disso na indústria dos jogos. Mas essa mudança foi um erro grave.

E quanto aos bosses? Fáceis e sem personalidade. Como o jogo é aberto, pode-se fazer as dungeons em qualquer ordem. Aliás, pode-se não fazer em ordem nenhuma e ir direto enfrentar Ganon sem nenhuma ajuda. Mas, no meu caso, comecei pelo deserto. Ao derrotar o boss de lá, recebi um powerup de ataque que me fez matar os outros bosses com uma facilidade injusta.

Quando se faz um jogo de mundo totalmente aberto, é muito difícil equilibrar as batalhas, dado que o jogador pode passar por elas com variados níveis de força. Esse não é um problema novo nem definitivamente resolvido, mas parece que os desenvolvedores de BotW nem se preocuparam com esse fato. Senti que estava lutando contra bosses elaborados por pessoas que não sabiam nada do resto do jogo.

Narrativa e quests

Como já mencionei, o jogo optou por apostar em narrativas emergentes em vez da tradicional cutscene de explicação. Acho ótimo, se for bem feito. BotW se passa num mundo muito deserto, consequência de um cataclismo prévio. Por essa razão, não há muitos NPCs fora das vilas, aldeias e fazendas. Sendo assim, é de se esperar que, quando um encontro ocorre, ele seja relevante em termos de história. Isso está longe de ser verdade. Não raramente, encontra-se alguém no meio do nada que só repete duas falas.

O Link de BotW acorda de uma câmera de hibernação sem memória. Grande parte da história é revelada ao visitar lugares específicos que o ajudam a recuperá-la e nos dão algum insight sobre o passado. O grande problema é que a história é a mesma de sempre, embora o método de contar seja novo. Não existe muito estímulo a visitar os lugares marcados para receber mais uma vez a mesma ladainha da donzela em perigo. A experimentação na forma não foi acompanhada de uma experimentação no conteúdo.

Novamente, e peço desculpas pela idolatria, peguemos o exemplo de Dark Souls. A franquia conta uma história de uma maneira muito sutil, quase que inteiramente pela descrição dos itens que se ganha. Isso, além de gerar um valor maior para a exploração geográfica, transmite melhor uma atmosfera meio arqueológica, o que é muito bem-vindo em um jogo que se passa nas ruínas de um mundo passado. Os itens de BotW são completamente genéricos. Achar essa ou aquela espada é irrelevante em termos de história. Muitos shrines e dungeons tem, alem de XP, uma arma ou roupa no final que nunca é nada de especial. Zelda sempre foi um jogo de cavernas e tesouros. Este, infelizmente, fez eu me sentir em um jogo de poucas caverna e poucos tesouros, repetidos à exaustão. Entendo que o fato dos itens de batalha quebrarem acaba obrigando uma abundância que massifica tudo, mas podia ter sido melhor.

arma genericaQue surpresa! Quem diria que existia ainda mais um desses por ai…

E as quests? Nesse ponto, todas as críticas já foram feitas a respeito da não-história e poucas indicações de onde se deve ir, ou onde obter determinado item para progredir. Isso cobre as quests principais.

Quanto as side-quests, bom… De todas as sides que fiz, gostei bastante das que levam a algum shrine secreto. Elas são o maior exemplo de uma exploração com significado que me fez tanta falta em outros elementos do jogo. Dito isso, as outras sides são, muito frequentemente, só fetch-quests pra encher linguiça. Perdi a conta de quantas vezes eu tinha que achar alguém perdido, só pra depois saber que precisava coletar 10 frutas, 20 fadas ou 40 ruppees para finalizar. Quase que invariavelmente, toda side-quest te coloca pra catar itens genéricos. Não me recordo de nenhuma delas avançar a história ou lore do jogo de nenhuma forma.

Voice Acting

BotW tem um dos piores voice actings da história recente dos videogames, ou pelo menos a versão em ingles. É constrangedor…

Sendo assim, finalizo esse review extremamente triste. Triste porque sou totalmente a favor da experimentação e do rompimento de velhos costumes, mas nesse caso, senti falta do que eu conhecia e gostava. Triste porque, como essa minha opinião não reflete o que eu tenho lido, talvez o próximo Zelda já não seja mais pra mim. Triste porque o hype das duas primeiras horas de jogo foi totalmente assassinado pelas ultimas 20.

Assim que zerei BotW não tive nenhuma vontade de coletar tudo e terminar todos as quests, como fiz com todos os Zeldas desde 1998. A primeira coisa que fiz foi dar um new game em Twilight Princess…

Abra seu coração gamer

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.